18/05/2018

Book Tour | Review | Cascading Petals | Jane C. Brady | Giveaway in the end


Cascading Petals 
by Jane C. Brady 
Publication date: December 5th 2017
Genres: Contemporary, Romance, Young Adult

Synopsis
Despite the years of bullying in school, Jewel Hart has remained sweet and kind. She has it all—a great life, a great family, and beauty—but she has never been able to obtain the one thing she wants—to belong.
When Jewel meets Kaiden Carter, a good-looking, charming new student at York Mills High, things start to look up. On the surface, he is perfect, but Jewel can’t shake the feeling that everything is not as it seems.
When the devastation of the rising suicides in her school hits too close to home and drives Jewel into a deep despair, she clings to Kaiden’s strength to find her way back. Through the pain and fear surrounding her, she finds hope and the will to go on. But just as she picks herself up, tragedy strikes again, threatening to steal her last glimmer of hope. How will she go on? Can she ever find her place in the world?


You Can Purchase It On 

Honestly, I really enjoyed this book. Although it is a book based on the romance between two young people who are completely different from each other in the way of being and acting, the main theme addressed in this book is something that is currently a very serious problem in our society: bullying.
Jewel is a young girl in her final year of high school. She is beautiful and intelligent, although she does not consider herself like that. Until she meets Kaiden, but we will be there soon enough.
Jewel has always been chased at school. She always walks alone and is the target of her colleagues, especially Lexi and Jess, who torment her all day and make her want to give up of everything. However, because he has a solid and loving family, she is able to cope with all the bullying. The bullying that is ignored by adults and guardians that don't want to do nothing about and prefer to pas it over and over again.
When Jewel meets Kaiden, something inside her changes. Kaiden manages to break down the wall and the defenses she created for her own physical and mental health. He is attractive, sensitive and affectionate and makes her feel as if she is someone unique and special. It made her feel loved and appreciated for what and who she really was. The momment Kaiden had seen her, he'd fall in love for her, and the more he knew her, the more he clung to her. Generally, it is always the girl to be charmed first. In this case, it was the boy. 
Someone like him is not easy to find, much less someone as solitary and reserved as Jewel who would not let anyone down. I loved to see Jewel grow up with Kaiden and how, little by little, she was getting friends, few but good, like Amy and Finn.
Someone like him is not easy to find, much less someone as solitary and reserved as Jewel, who would not let anyone get in . I loved to see Jewel grow up with Kaiden and how, little by little, she was getting friends, few but good, like Amy and Finn.
It took a tragedy, someone who put an end to her own life because she could not stand the attacks she was targeted at school, to things would start to change. Jewel, Kaiden, and the other friends she had succeeded in doing, would go through terrible and painful phases of loss and impotence. Jewel will often feel guilty and responsible for everything bad that happens to her and her friends and it will take another brutal event to give her the notion that she does not control everything and can not even do it, in what says respect to those she loves and without which she can not live.

I really enjoyed the writing of this author and the way she puts the emotions in the right place and makes us feel all that the characters felt, were good things or bad.

17/05/2018

Novidade TopSeller | O Pântano dos Sacrifícios | Susanne Jansson

Mais um livro com o selo de garantia da Topseller, um thriller que chegará dia 04 de Junho às livrarias.
Altamente disputado e considerado O Livro da Feira do Livro de Londres de 2017, O Pântano dos Sacrifícios já foi vendido para 26 países, incluindo EUA e Reino Unido.
Traduzido do original sueco por João Reis, esta história lembra os cenários da série de culto Twin Peaks e traz à luz do dia superstições e oferendas humanas preservadas em pântanos. Um livro de ficção que bebe inspiração em factos bem reais.

Em tempos, realizavam-se oferendas humanas em pântanos.
Agora, há pessoas a desaparecer…

Crê-se que antigamente os pântanos eram usados como locais onde se realizavam sacrifícios humanos. Por serem pobres em oxigénio, estes terrenos atrasavam o processo de decomposição dos corpos, levando à sua preservação. Há por isso quem acredite que as almas lá enterradas não conseguem encontrar descanso, atraindo até si novas vítimas.
Nathalie Nordström é uma jovem bióloga que se desloca até a um pântano no norte da Suécia para realizar uma experiência de campo. Nathalie cresceu naquela zona, mas partiu quando uma terrível tragédia se abateu sobre a sua família.
Numa noite de tempestade, um mau pressentimento leva-a até ao pântano. Lá encontra um homem inconsciente, prestes a afundar-se. A polícia começa a investigar o caso e acaba por encontrar cadáveres ali enterrados.
Estará o pântano a reclamar mais sacrifícios, como alguns habitantes locais acreditam?


Susanne Jansson nasceu em 1972 em Åmål, na Suécia. Mais tarde mudou-se para Gotemburgo, para trabalhar em publicidade, e depois para Nova Iorque, onde estudou fotografia.
Depois de regressar à Suécia, trabalhou como fotógrafa freelance enquanto estudava jornalismo, e nos últimos 20 anos tem combinado o seu trabalho de fotógrafa com o de jornalista, tendo-se especializado em reportagens e histórias ligadas às áreas da cultura, cinema, teatro e literatura. Também escreveu contos policiais para revistas.
O Pântano dos Sacrifícios é o seu primeiro romance e um verdadeiro êxito internacional, tendo os seus direitos sido vendidos para 26 países.
Susanne Jansson vive com a família perto de Gotemburgo.

16/05/2018

Passatempo Presença | Sorrisos Quebrados | Sofia Silva | Resultados

Olá a todos os seguidores, leitores e amigos do Sinfonia!!!
Já tenho os resultados do último passatempo realizado aqui no blog com o apoio da Presença. Aposto que estão ansiosos e curiosos para saber quem ganhou este livro já ansiado há muito tempo por todos nós leitores.

Ora bem, o livro a passatempo foi o "Sorrisos Quebrados", de Sofia Silva


Assim e sem mais demoras, o feliz vencedor deste passatempo é:

Muitos parabéns Diana! 
Será contactada a fim de nos fornecer os seus dados para envio do seu livro!

Aos restantes participantes, obrigada pela participação, pelas vossas partilhas e por seguirem o Sinfonia dos Livros.

Fiquem atentos aos próximos passatempos!

Novidade Booksmile | Como tomar conta de um professor | Espaço Infanto-Juvenil

​Muitos alunos gostam de oferecer um miminho aos professores no final do ano lectivo. 
A Booksmile tem a sugestão perfeita!!! ​

Tomar Conta de um Professor, de Jean Reagan, a mesma autora de Como Cuidar de uma Mãe, Como Surpreender um Pai, Vamos Apanhar o Pai Natal, Como Tomar Conta de um Avô e Como Tomar Conta de uma Avó, este último finalista do Children Choise Book Award, e todos bestsellers do New York Times, traz-nos mais uma história divertida, com muitas dicas para os mais pequenos cuidarem do professor e ajudá-lo a adaptar-se à escola e a lidar com os desafios de todos os dias.

Como Tomar Conta de um Professor é a prenda ideal para os alunos oferecerem aos professores no final do ano lectivo. E depois, de livro na mão, fortalecerem laços e partilharem momentos de boa disposição.
É tão bom poder aprender coisas novas, brincar sem parar, fazer amigos e descobertas incríveis. E onde podes encontrar tudo isto? Na escola, pois claro! Mas será que o teu professor está preparado para tantos momentos especiais?

Aqui ficam algumas dicas para tomares conta do teu professor:

* Leva-o até à biblioteca e mostra-lhe onde encontrar os melhores livros;
* Ensina-o a assobiar as melodias que só tu conheces;
* Fala-lhe sobre aquelas enormes flores malcheirosas que só existem na selva;
* Ajuda-o a equipar-se antes de um jogo no recreio (não te esqueças de lhe apertar os ténis!).


Opinião | Sorrisos Quebrados | Sofia Silva | Editorial Presença

Paola
Perante Deus, o meu marido prometeu me amar.
Cuidar de mim. Ser meu amigo. 
Perante todos, disse que me amava. Que seríamos felizes. 
Viveríamos para sempre juntos. 
Mentiu em tudo. 
Até que um dia ele me disse que me mataria. E não mentiu.
A partir desse dia, vivi escondida no meu mundo, até André aparecer.
André
Eu não procurava nada. Não queria ninguém.
Não depois de tudo que vivera.
Meu coração estava escondido na escuridão, até Paola surgir com as suas cores, pintando minha vida.

Sorrisos Quebrados é um romance de cores entre duas pessoas quebradas por relacionamentos passados. Uma história de superação dos próprios medos e de promessas.

Já há muito tempo que estava ansiosa por ler este livro. Mal podia esperar que fosse publicado em Portugal para poder ter acesso ao melhor que esta história poderia oferecer.
Este livro começa de uma forma brutal, mas, não se poderia esperar menos do que violência e brutalidade, tendo este livro o tema que tem: Violência doméstica e abuso físico, mental e verbal.
Ainda nem ia na página 40 e já tinha o coração destroçado com o que estava a ler. As descrições que a autora nos dá são absolutamente destroçadoras e angustiantes, embora seja exactamente isso que temos de ter para termos noção de tudo o que se passou. 
Paola é uma jovem mulher marcada por quem, há seis anos atrás, ela pensava que era o seu príncipe encantado. Apesar de todas as suas cicatrizes, tanto físicas como psicológicas, ambas impossíveis de esconder e esquecer, Paola é o tipo de mulher que foi feita para brilhar na escuridão que é o seu passado e o seu presente. Desfeita por dentro e por fora, Paola decide sobreviver à morte infligida pelo seu marido. Aquele que lhe tinha prometido amar, fora quem mais a odiara. Aquele que lhe tinha prometido proteger, fora quem mais lhe tinha magoado. No entanto, anos mais tarde, Paola descobriu a sua luz e a forma de proteger a sua mente e o seu corpo de todas as agressões e mutilações que havia sofrido. É nas cores garridas e na pintura que Paola descarrega toda a sua dor e toda a sua escuridão, permitindo-se brilhar no escuro, mesmo quando por dentro sente-se assustada e sozinha e absolutamente destroçada.
Foi preciso um raio de Sol como a pequena filha de André, o bom gigante, para Paola ter coragem de sair da sua casca protectora e aventurar-se e novas emoções. Com a pequenina Sol, uma criança cheia de traumas dos quais nem se lembra mas que a tornam numa criança com necessidades extra, Paola permite-se amar novamente. Abriga Sol no seu coração e ambas têm a missão de curar-se uma à outra através do amor que as uniu ao primeiro olhar. André, o pai de Sol, acaba por ser arrastado pelo amor que existe entre Paola e Sol. Aos poucos, consegue ver e absorver a realidade de Paola. O que sofreu no passado, o que sofre e o que luta no presente para não ser apenas uma mulher marcada pela violência mas, que ainda assim, é tão meiga e tão amorosa para a sua preciosa filha e para ele, após o medo inicial que sentiu quando o viu. Também ele carrega um coração cheio de feridas, mas que ainda não cicatrizaram. Tem a filha sempre em primeiro lugar e tudo o que faz é por ela. Para tentar apagar o que ela sofreu no passado e para tentar apagar o que não conseguiu evitar não olha a meios e nem pensa em ser feliz. Apesar de saber que Paola é a mulher que o destino guardou para ele, continua a lutar contra o que sente e vai contra todas as evidências e todos os desígnios. Sempre deixou bem claro que o seu coração estava morto pelo amor que sentiu no passado e nunca fez qualquer promessa de felicidade eterna. Sempre foi honesto, sincero e dolorosamente verdadeiro.
Tirando Paola, Sol e André, gostei imenso de Rafaela, a psicóloga que ajudou Paola a ultrapassar muitos obstáculos desde que fundou a Clínica de reabilitação. É uma pessoa meiga e gentil que, parece-me também ter sofrido muitas agruras no passado, mas que se agarra à clínica que agora tem e aos seus pacientes com toda a força que ainda lhe resta e que, aos poucos, vai recuperando. É fechada e ninguém sabe dos problemas que tem e sequer se os tem... mas quem a conhece, fica com a percepção de que ela esconde muita coisa. Gostava de ter tido mais de Rafaela.

Mas, irremediavelmente, a personagem que mais gostei e que não me sai da mente é a pequena Sol. Como é possível alguém ter desistido dela? Como é possível que uma bebé tão doce e tão carente possa ter sido tão magoada por quem mais devia tê-la protegido? É aí que Paola e Sol são tão iguais. Ambas sofreram às mãos de quem mais as devia ter protegido e agora sofrem as consequências.

O tema deste livro tem sido tão abordado e tão escrutinado actualmente que é praticamente impossível não darmos uma cara "verdadeira" a Paola, a Sol e a André. Há tantas pessoas como eles fora dos livros. Muitos deles não têm uma segunda oportunidade. Alguns têm a força de vontade para lutar e continuar a viver contra tudo e contra todos. 
Espero que cada um desses sobreviventes encontre o seu raio de Sol e consigam ser felizes como merecem.

Recomendo a 100% e aguardo mais livros de Sofia Silva.